• Malala

    Malala nasceu no Paquistão em 1997. O seu pai, poeta e professor, ensinou-lhe a importância da educação, sobretudo para as meninas. Quando o região onde Malala vivia foi ocupada pelos talibãs, que começaram a proibir primeiro a televisão, depois a música e, por fim, o acesso das meninas à educação, Malala, de apenas 11 anos, criou um blog na BBC Urdu onde escrevia sobre os seus pontos de vista acerca da educação e da vida sob o domínio talibã.
    O blog chamou a atenção internacional e Malala foi história no New York Times, passando a receber ameaças de morte. O primeiro Prémio da Paz para a Juventude no Paquistão e a nomeação pelo Arcebispo Desmond Tutu para o International Children’s Peace Prize foram a gota de água: os talibãs decidiram que tinham de a calar. Assim, no dia 9 de Outubro de 2012, um talibã entrou no autocarro da escola, chamou pelo seu nome e deu-lhe um tiro na cabeça.
    Qual guerreira de um livro de aventuras, Malala sobreviveu. Os médicos dizem que foi quase milagre, eu acho que foi por vontade superior. Assim que recuperou, Malala continuou o seu trabalho, tornando-se o rosto e a voz de milhões de meninas a quem a educação é vedada por razões políticas, culturais ou religiosas. O seu discurso nas Nações Unidas, no dia em que fez 16 anos, é das coisas mais inspiradoras que já vi. Mas uma das frases que mais me marcou noutros dos seus famosos discursos foi quando disse que "milhões de crianças do mundo não querem um iPhone, ou uma playstation ou chocolates. Querem apenas um livros e uma caneta". Hoje ganhou o prémio Nobel da Paz. Mais do que merecido.

    Se quiserem seguir e apoiar o trabalho de Malala, podem fazê-lo aqui.



    PS: O prémio Nobel foi "dividido" com outro ser humano extraordinário, Kailash Satyarthi, pela sua luta pelos direitos das crianças na Índia, sobretudo o fim do trabalho infantil e direito à educação. Já salvou mais de 80 mil crianças da escravatura.

    0 comentários → Malala

    Enviar um comentário