• Quero o Galliano de volta, por favor!


    Em 2012 o melhor designer da Dior desde o próprio Monsieur Christian, foi substituído por Raf Simons. A saída de Galliano, envolta numa polémica que incluiu excesso de álcool e piadas nazis, marcou o fim de um reinado romântico e elegante no pronto-a-vestir, onírico e exuberante nas colecções de alta-costura. Infelizmente, o novo rei quis fazer tábua rasa.
    É normal que Simons se queira demarcar da herança de Galliano, até porque jamais conseguiria igualar o seu estilo, mas daí a descaracterizar a própria Dior, é demais para os meus olhos. Na colecção de alta-costura  Outono Inverno 2014, recentemente exibida em Paris, vemos uma mulher de cabelos soltos, calças largas, camisolas por fora das calças, casacos “over sized” e vestidos cada vez mais longe da silhueta clássica da Dior.
    Quando recebi a newsletter da Dior, pensei que as fotografias estivessem trocadas. Parecia uma coleção Jil Sander (onde Raf esteve anteriormente), o que não quer dizer que seja má, apenas que está num universo paralelo em relação os códigos estilísticos da Maison. Os fãs da marca não querem ver uma colecção avant gard, nem uma mulher do dia-a-dia. Também não querem que a alta costura se torne tão informal que pareça pronto–a-vestir. Uma peça de alta-costura Dior tem de ser algo único, algo maravilhoso, algo que nos faz sonhar. Não pode ser uma versão cara de peças modernas e minimalistas, que podemos encontrar em dezenas de outras marcas.
    Os “entendidos” em moda podem defender Simons, podem aplaudi-lo de pé, podem fazer a apologia da modernidade e do questionar das regras da alta-costura. Mas os fãs, esses, continuam a indignar-se e a proferir frases como “O Sr. Raf Simons apunhala a Casa Dior a cada seis meses”. Deixo-vos algumas imagens do desastre belga. Volta Galliano, estás perdoado.








    0 comentários → Quero o Galliano de volta, por favor!

    Enviar um comentário