• Querem privado? Paguem!


    Esta coisa das manifestações dos colégios privados já me começa a irritar. A sério. Tenho andado caladinha, mas agora, cada vez que vejo uma pessoa vestida de amarelo, apetece-me insultá-la. É que eu sou pelas manifestações e pela luta por causas em que acreditamos, mas quando os cartazes que estas pessoas exibem dizem coisas como "temos o direito à felicidade" ou "deixem o meu filho estudar na melhor escola" fico perplexa. É que eu e os meus dois filhos também temos o direito à felicidade, mas parece que a nossa é um bocadinho mais cara: custa €880 por mês. E ainda estão no jardim de infância.

    Mais, eu também quero que os meus filhos estudem na melhor escola. E para atingir esse objectivo tenho duas opções: ou inscrevo-os na escola pública aqui do bairro ou, caso a dita não me agrade, caso sonhe com actividades extra-curriculares espetaculares, visitas a museus, instalações com piscina, adivinhem o que é que acontece: pago.

    Sinceramente não percebo qual é a dificuldade em perceber o que são contratos de associação e para que servem. Estes contratos foram criados há mais de 30 anos, numa altura em que a rede escolar pública não conseguia servir todas as populações. Com o tempo e a modernização da rede escolar muitos deixaram de fazer sentido. E quando há casos como o que é relatado pelo jornal Económico, muito menos: "o estudo da rede escolar privada pedido pelo Governo revela, por exemplo, que há um colégio financiado que tem ao lado uma escola pública com metade das salas vazias, e um colégio com 27 estabelecimentos públicos a menos de dez quilómetros."

    Os colégios são um negócio, como são os hospitais e qualquer outro serviço privado. A escola pública não é. Os pais deviam lutar pela escola pública de qualidade, Universal e gratuita, como defende a Constituição, para a qual contribuem com os seus impostos, em vez de participarem em manifestações onde se ouvem coisas como "não há misturas". Não querem misturas com a realidade social onde se inserem, a qual preferem ignorar, e depois vêm fazer figuras ridículas nas ruas, mostrando um desfasamento com o país real e com as coisas que realmente são importantes para a maioria, como o facto de haver inúmeras escolas públicas à espera de serem concluídas enquanto as crianças almoçam num contentor, outras onde chove nas salas, ou o não poderem matricular os filhos na escola pública mais perto de casa por falta de vagas. Isso sim é interferir com a liberdade de escolha. Por isso, tenham mas é vergonha e aceitem que não são os contribuintes que têm de pagar para os vossos filhos andarem numa escola melhor. E se no final do ciclo os vossos meninos tiverem de passar "de cavalo para burro", se tiverem de se misturar com o resto do povo numa escola pública, vejam-no como uma vantagem: eles vão aprender mais cedo que a vida real não é uma redoma onde todos nos sorriem e dão palmadinhas nas costas.









    4 comentários → Querem privado? Paguem!

    1. Rui Baptista disse... 31 de maio de 2016 às 16:22

      Filipa, já a tinha em elevada consideração mas a sua lucidez ainda lhe creditou mais uns pontos.
      Cumprimentos desde Albufeira
      Rui Baptista

    2. Perfeito! Vou partilhar!

    3. Completamente de acordo!

    4. Concordo plenamente! Quem quer privado pague.

    Enviar um comentário